segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Pela passagem de um grande amor

Hoje penso novamente em me dividir

em deixar de existir
em não-insistir
sequer deixar acontecer.

Hoje me sinto perdido,
humanamente só
erradamente confuso
jurando promessas,
pagando pecados
ainda por se cometer.

Reavalio sentimentos
pondero, peso
e tudo é muito incerto:
só falta te dizer mais uma vez
adeus e não partir como sempre
senão de volta - tudo de novo
se mistura, confunde e
não acontece.

Sinto te querer
sinto perder, cometer
todos os erros
Não será possível
uma vez mais
insistir e desistir
porque não admito trair
ou te deixar se preciso de ti.

Queria (enfim) encerrar
dar uma resposta
te dizer não te quero mais
por não poder
Mas não posso deixar
de te querer
e de precisar viver (sempre)
ao teu lado.

Poesia escrita para Raquel em 17.09.96, num momento de incerteza. Mas hoje, depois de 18 anos de convivência, essas incertezas foram apenas o registro de um tempo passado, muito passado, quando ainda éramos "apenas" noivos e estávamos "apenas" há três anos juntos!

Feliz aniversário, meu amor!

Um comentário:

blog da Paraguassu disse...

Lindo esse poema, Rodrigo.
Na vida acontecem muitos encontros, mas quanto bate aquele sininho nos ouvidos, a gente sabe que encontrou a alma gêmea.
Uma longa vida e muita saúde para vocês dois.
E um grande beijo no fruto desse amor - a amada Heleninha.
Bjs,Maria.

Pesquisar este blog