terça-feira, 5 de outubro de 2010

Eleições 2010

Cresci em casa politizada, portanto não sei me omitir quando o assunto é eleições - ao contrário de muitos por aí, votaria com gosto mesmo que não fosse obrigatório. Mas quantas coisas se faz por aí somente porque somos obrigados a ela?

Mas como por enquanto ainda acredito que o voto é o exercício da democracia, da liberdade, do poder de escolha, da participação no processo político e toda aquela ladainha que mais parece as aulas de Moral & Cívica dos anos 1970, sigo escolhendo meus candidatos e acompanhando tudo o mais que cerca isso que - dizem - é a festa da democracia.

Os resultados não me surpreenderam: Tarso venceu em 1º turno com folga, duas eleições depois que os gaúchos cansaram do voto anti-PT para eleger políticos "alternativos" de legendas nem tanto!

O PSOL pagou o preço daquilo que acredita: sem alianças, sem costuras, conxavos, panelinhas, encontros furtivos e política do me-dá-que-é-meu, baseado do discurso de que a virtude é exclusiva deles. Ajudado, claro, pelo fato dos meandros judiciários não terem dado azo às denúncias (não se sabe se comprovadas ou não) contra a Governadora do Estado. É um partido que deverá repensar sua própria existência!

Dilma já se anunciava que não alcançaria a vitória sumária, embora esteja bem perto dela e a menos que algum fato político, plantado ou não, modifique o panorama e a própria fauna e flora eleitoral, sua eleição deve se confirmar em 31 de outubro sem maiores sobressaltos. Um pouco também porque Serra é o verdadeiro picolé de chuchu!

Afora isso, Tiririca se constituiu no absurdo, não mais de si mesmo, mas do eleitor que, seja porque descrente ou seja por imbecilidade extrema, votou de forma atordoadora nele. São 1,3 milhão de paulistas, sejam retirantes nordestinos, gaúchos inflitrados, paranaenses perdidos ou corinthianos fumados. Se faltou bom senso ao eleitor na hora de votar como protesto, o próprio acaso talvez resolva essa questão com o provável analfabetismo do deputado federal eleito. Falha do sistema que só percebeu isso agora.

Sim, o sistema: ele sempre falha. Num país que tem o sistema de apuração de votos mais avançado do mundo, tiriricas vão da tevê ao parlamento fazendo chacota de um Brasil adolescente!

---

No último trimestre de ano, uma pequena guinada para a esquerda para retomar o rumo, já pensando não só 2011 como 2012, 2013... Avisos e exemplos não me faltaram, mas é só uma questão de corrigir a rota!

Um comentário:

** L. ** disse...

mto bem escrito...congrats!

Pesquisar este blog