domingo, 21 de fevereiro de 2010

Para toda a vida II

A noite era um mistério quando eu amava e sequer sabia que existia. Perdido no meio de bares, eu sabia que tudo aquilo não me pertencia. Sempre pertenci aos teus braços, pois somente neles me encontraria. Eu sabia, estava escrito: um dia nos encontraríanos, contaríamos histórias, riríamos, choraríamos e acharíamos um absurdo o tempo todo em que não sabíamos da nossa existência!

Um poema, que escrevi lá por 1993, quando comecei a namorar Raquel. Pois já se vão quase 17 anos e aqui estamos, para toda a vida - Helena é o elo definitivo.

Haja o que houver, como tem havido as coisas que passam entre e em nossas vidas.

Assim, pelo teu aniversário que hoje se comemora, se lembra, se relembra: o será por toda a nossa vida.

Te amo, Raquel.

Nenhum comentário:

Pesquisar este blog