quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

As cobras no jardim

"Soltaram as cobras no jardim. A verdade anunciou-se
telepaticamente, eco de nosso medo coletivo."
(Sansdes, via messenger)

Um arrepio, foi como tudo aparentemente começou. Ele olhou rapidamente no lá-fora, anoitecia, e coisas estranhas aconteciam no jardim. Chegou até à cozinha, onde Gisa preparava os legumes para o jantar, abriu a geladeira casualmente como quem procura além dos congelados: de novo ficariam presos em casa na sexta à noite.

Mas nem tudo era prisão na casa: havia as horas sem limite em que ficavam buscando verdades perdidas em álbuns de família.

Havia os molhos apimentados.

Havia o tesouro na biblioteca coberta de livros.

Havia os jogos no computador.

Havia os beijos não dados.

Tudo era real mas imaginário o suficiente para que ambos existissem, apesar do exterior. A casa era o invólucro, mas também proteção, santuário. Não sairiam dali antes da manhã de sábado.

Mas até o sábado, as horas que demoram para passar. Por mais que se policiasse e por mais que Gisa o prevenisse, lá estava ele espiando pela janela, feito o passado no jardim. As cobras continuavam lá e de lá não sairiam.

Nesses dias, o telefone não tocava. A internet não funcionava. Na tevê, apenas filmes antigos. Nenhuma comunicação com o mundo externo.

Entre o corte dos legumes, a salada de frios preparada, o vinho sendo aberto: olhou nos olhos de Gisa, verdes, um profundo olhar - oblíquo.

Um olhar de cobra.

Nenhum comentário:

Pesquisar este blog